Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diario de Bordo

Pequenos grandes nadas que me vao acontecendo...

Diario de Bordo

Pequenos grandes nadas que me vao acontecendo...

24 Jan, 2021

Estados de alma..

De cada vez que fico triste é como se o chão se abrisse debaixo de mim, rasgo-me toda por dentro e cada lágrima que me cai é como se me queimasse. Mas, em contrapartida, de cada vez que estou feliz é como se dos meus olhos saísse fogo de artifício, como se a lava de um vulcão me atravessasse a alma. Ser intensa é viver no limiar dos extremos opostos. É viver e sentir no limbo entre o oito e o oitenta. É sentir tudo no momento para depois não sentir nada. É o impulso de viver todos os momentos à flor da pele e não saber distinguir que são só momentos, que os instantes não duram uma vida inteira. É não ter meio termo. É não saber ser morno neste mundo de pessoas descartáveis. É a personificação de confusão de tantos sentimentos que fervem por dentro. É sofrer por sentir tanto e por tão poucas perceberem o que isso é. É ser o amor e o ódio na mesma pessoa. Amor de quem ficou e se atravessou para conhecer. O ódio de quem não viu, não perdeu tempo e foi embora. É não saber onde largar tanta intensidade. É cair, levantar e querer sentir tudo outra vez. É ter tanta personalidade que a impulsividade impera. É não deixar nada para depois. É dar o peito às balas. E só quem a abre o peito, quem se torna íntimo consegue lidar com alguém assim. É viver com entusiasmo, com borboletas no estômago e fazer tudo como se fosse a primeira vez.
Não me peçam para sentir menos. Não sei ser menos do que isto. É o mesmo que me roubarem de mim.

(Chocolate Não Dói.)

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.