Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diario de Bordo

Pequenos grandes nadas que me vao acontecendo...

Diario de Bordo

Pequenos grandes nadas que me vao acontecendo...

Aproveitar um bocadinho estas noites de Outono ainda sem mantas.

Estamos a ver o Outono, que é um instante entre o seu cumprimentar de longe e o chegar-nos com toda a melancolia, toda a nostalgia da minha estação preferida, ou aquela com que mais me identifico.

 Engraçado, agora, pensar nisto que digo, porque o outono é o morrer de tudo o que nasceu na primavera, a transformação que dará lugar, depois, a coisas novas e verdejantes.

 São as despedidas, os fins a que se seguem os lutos, os frios cerrados, a noite mais escura antes do amanhecer da primavera.

São os pores de sol quentes ao longe. E talvez eu seja isso mesmo, feita de fins, de folhas que caem para que venham outras, que se despegam dos braços das árvores, que tombam nos caminhos por percorrer já despidas do verde de vida.

De mim tudo se despega, se despede,de mim como a um casaco coçado, gasto, sem serventia. Folhas mortas no chão. As primaveras moram noutras paragens, não na minha. Na minha só as despedidas, o que antecede o gelo e o recolhimento a casa. Nunca tinha pensado nisto, mas sou realmente feita de outonos, a estação onde todos páram e se apeiam. Continuam outras viagens, eu fico-me pelo recolhimento de todos os lutos que a vida me tem servido de bandeja, e com que luto para que um dia me floresça a Primavera no olhar, na alma, no espirito.Na vida.

Mas eu sou feita de Outono…E com poucas folhas…e nenhuma verde.

Mas depois do Inverno, o verde nascerá em todas, vivo, mesmo que não se acredite.

 

E isto!

 

autum.jpg

(imagem retirada da net)

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.