Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diario de Bordo

Pequenos grandes nadas que me vao acontecendo...

Diario de Bordo

Pequenos grandes nadas que me vao acontecendo...

Qua | 31.01.24

Renascer....

Calimero

smile.jfif

Hoje em dia ja não sou tão severa com os meus defeitos. As rugas que surgem, misturam-se com as lembranças, com tudo o que vivi, com o que o tempo foi deixando em mim. As imperfeições não me incomodam mais, pelo menos não da forma tão pungente quanto antes. Acostumei-me com as marcas da vida, aceitei, redescobri-me ... Dizem que as mulheres maduras alcançam essa maturidade na autoimagem. Eu chamo essa maturidade de paz na alma, uma paz que invade os espaços onde permiti, finalmente, o amor próprio florir. O amor próprio para algumas pessoas, como eu, só mesmo com o passar do tempo torna-se possível. Sou tudo o que vivi, chorei, amei, venci, perdi, tudo o que doeu, tudo o que me fez feliz. Sou as marcas, as imperfeições. Não há mais porque me esconder. Algumas pessoas podem dizer que tudo mudou porque envelheci... Eu prefiro dizer que renasci...

Qua | 24.01.24

Sujei a Cozinha...

Calimero

Sujei a cozinha Cortei as maçãs, fiz um monte de cascas na bancada. Derreti a manteiga, juntei canela, açúcar e farinha. A casa está em silêncio. Estou sozinha. Choveu o dia todo. Acendi velas para vestir a casa de outono. Liguei a batedeira e misturei tudo. Vou acumulando loiça suja, há farinha que caiu no chão por descuido ou entusiasmo, e o cheiro a canela casa perfeitamente com o sabor da maçã. A cozinha suja testemunha o prazer que descobri na elaboração deste bolo. É mais uma forma de cuidar, de transbordar amor e poder materializá-lo usando farinha, manteiga e açucar. E forno, não esquecer o forno. Permite incubar os sabores que trazem conforto e paz. Sujei a cozinha e ficou tudo num reboliço. Olhei para trás quando terminei e fui assolada por uma sensação de conquista de um novo território. A cozinha suja ganha contornos de palco de teatro depois do fim do espetáculo, cheia de memórias que nos fizeram crescer a alma. O dia continuou chuvoso, acolho o sentimento de estar em mim e comigo, de saber da presença constante dos que amo, mas ter como tempo sagrado este em que me encontro sozinha. Sento-me no sofá e fico à espera que o bolo coza. Aconchego-me na ideia de que este momento é sagrado. Medito e reflito sobre a sorte que me acompanha. Estou rodeada pelo cheiro de maçã e canela que chega à sala, e pela perspetiva de ter encontrado mais um terreno seguro, a cozinha. Suja, claro. A felicidade tem esta característica enigmática, precisa que nos disponhamos a remexer nos ingredientes que queremos ver levedar. Precisa que sujemos a cozinha. É sinal de vida, sinal de amor. ❣️ Por. por. escrito

cozinha.jfif